sexta-feira, 17 de julho de 2015

"Liderança significa dar o exemplo. Quando você se encontra em posição de liderança, as pessoas imitam os seus atos". Lee Lacocca

Leia Mais ››

Mais arriscado que mudar, é continuar fazendo a mesma coisa. Peter Drucker.

Leia Mais ››

Grupo Friedman





O Grupo Friedman é referência no mercado brasileiro de consultoria para o varejo e serviços, e vem desenvolvendo, há 25 anos, soluções sob medida para empresas de diferentes portes e variados segmentos. Anualmente são treinados mais de oito mil profissionais do varejo através de seminários realizados nas principais capitais do país.       
A HISTÓRIA

O The Friedman Group foi fundado em 1980 nos Estados Unidos, com o objetivo de fornecer aos varejistas um sistema profissional para treinar e gerenciar as equipes de vendas. 


Seu fundador, Harry J. Friedman, é um aclamado consultor internacional, especializado em vendas e gestão no varejo. Desde 1968, ele se estabeleceu como um supervendedor, gerente de vendas, quebrador de recordes, proprietário de uma bem-sucedida rede de lojas e consultor de mais de 500 mil varejistas em todo o mundo.




Em 1990, o empresário Marcos Carvalho, que hoje também é copresidente da ANCAR IVANHOE (Gestão Integrada de Shopping Centers), trouxe a empresa para o Brasil sob a forma de licenciada exclusiva do The Friedman Group.

Desde então, o Grupo Friedman percorre uma trajetória de sucesso, que o coloca na posição de única empresa do país com notória especialização em consultoria e treinamento na área de varejo.
Ao longo do tempo, foram sendo elaborados vários recursos para desenvolver o potencial dos profissionais varejistas, desde manuais e vídeos, até programas de treinamento e projetos de consultoria. Os recursos tratam de assuntos como atendimento ao cliente, aumento da produtividade, motivação da equipe e delegação de responsabilidades, entre outros.

O grupo conta ainda com profissionais da área de consultoria altamente qualificados, e que possuem grande vivência e conhecimento do mercado de varejo, nas áreas de vendas e atendimento ao cliente.

“O nosso objetivo é contribuir para o desenvolvimento do varejo nacional, a partir de ferramentas de capacitação. É dessa maneira que o Grupo Friedman se apresenta, como um aliado indispensável para o sucesso dos profissionais e das empresas do setor varejista”, explica Fernando Lucena, Presidente do Grupo Friedman.

Através de consultorias abertas ou exclusivas, o grupo garante a implantação de seus sistemas de gerenciamento, supervisão e vendas nas empresas de varejo. Os produtos utilizados para o desenvolvimento dos lojistas e de suas equipes de vendas incluem sistemas de treinamento em vídeo, Manual de Jogos e Competições, Manual de Normas do Varejo, livro "Não, obrigado. Estou só olhando!", seminários abertos ou exclusivos, além de manuais e vídeos customizados para a sistematização dos procedimentos operacionais, de vendas e de conhecimento de produto.

         
Seminários abertos

Entre os seminários abertos oferecidos pelo Grupo Friedman estão o Programa de Treinamento de Gerentes (PTG), o Programa de Supervisão de Lojas (PSL), o Programa de Atração e Retenção de Talentos (PART) e o Treinamento de Vendas no Varejo (TVV). “Os recursos que oferecemos têm o objetivo de desenvolver o potencial dos profissionais do segmento de varejo. Nossas ferramentas incluem desde manuais e vídeos até programas de treinamento e projetos de consultoria, que tratam de temas como: atendimento ao cliente, aumento da produtividade, motivação das equipes, liderança, entre outros”, explica Fernando Lucena.     

   
        
Palestras e ferramentas customizadas

Além dos seminários, são oferecidas palestras exclusivas, customizadas à realidade de cada negócio, que podem ser divididas entre Motivacionais, Supervisão de Lojas, Vendas e Atendimento ao Cliente, Cenários e Tendências de Mercado e Gestão de Equipes e de Vendas. O objetivo é oferecer aos participantes estratégias e técnicas de sucesso, de acordo com as necessidades de cada cliente.
O Grupo Friedman oferece, ainda, recursos de treinamento e capacitação que podem ser desenvolvidos de forma customizada para cada empresa. Uma delas é o Manual de Normas e Procedimentos (MNP), elaborado sob medida e que inclui a descrição de todas as políticas, normas e procedimentos existentes. A empresa pode contar também com os manuais criados para novos colaboradores. Existe ainda e o Programa de Conhecimento de Produto que, a partir de vídeos e materiais de apoio, contribuem para transformar o vendedor em um especialista no produto que comercializa.

Projeto Gold Star

O Gold Star é um projeto de consultoria que aplica os principais conceitos e ferramentas dos programas de gestão e de vendas do grupo. Ao longo de quatro meses são realizados encontros que reúnem os profissionais que trabalham nas lojas e os principais gestores da área. No início do projeto, são levantadas as necessidades de desenvolvimento e as oportunidades de crescimento das lojas.

A partir daí são implementados padrões de atendimento e de vendas indicadores de desempenho, assim ferramentas de acompanhamento de resultados e do atendimento. O projeto pode incluir, ainda, o desenvolvimento de um sistema de treinamento à distância, com manuais e vídeos, desenvolvidos com uma metodologia especial de autoaprendizagem para aplicação em novas lojas e equipes.

Projeto VIP

O VIP é um outro projeto de consultoria. Nele os participantes, após ter acesso aos mais modernos conceitos de gestão e de vendas através da participação nos seminários PTG e TVV, contam com a orientação especializada dos consultores na implementação dos conceitos e técnicas aprendidas nestes seminários. 

Ao longo do projeto, ferramentas são criadas de acordo com as necessidades de cada empresa e é realizado um acompanhamento pelos consultores dos progressos obtidos.
Clientes

Os clientes do Grupo Friedman pertencem aos mais diferentes segmentos de atuação, entre eles alimentação, calçados e acessórios, casa e decoração, drogarias, eletroeletrônicos, moda infantil, lingerie, material de construção, material esportivo, papelaria, perfumaria e cosméticos, beleza, presentes e serviços.  Destacam-se clientes como InBrands, Chili Beans, O Boticário, Centauro, Nike Store, Vivara, Lilica & Tigor, Nokia, entre outros.



http://varejista.com.br/cases/1343/grupo-friedman

         
Tags: Grupo friedman, Consultoria, Treinamento, Varejo, Seminários, Vendas, Serviços, Cases, Marcas, Wallace Marcas,
Leia Mais ››

Como vai o conhecimento de produto de sua equipe?



Será que a equipe conhece "realmente" aquilo que oferece ao cliente? Será que é capaz de responder, prontamente, às perguntas de seus clientes? Será que inspiram a confiança no cliente para realizar sua compra?

Você já deve ter reparado que não há técnica de venda que funcione quando não se conhece aquilo que se está tentando vender. No mercado atual, ter especialistas para oferecer um excelente atendimento ao cliente, não é mais uma opção ou virtude de determinados pontos de venda. A concorrência pelo cliente elevou o nível de competição. Atualmente, o que é preciso definir é o nível de conhecimento que o profissional deve ter sobre o produto e/ou serviço. E não, se deve ou não ter.

Quando falamos de conhecimento de produto, soma-se também a habilidade de transformar informações técnicas em argumentos de vendas. Um cliente não quer "apenas" saber sobre a composição técnica de determinado produto, ele quer saber o que significa, em termos de diferenciais, e o que irá ganhar com isso.

Invista na real preparação de sua equipe, transferindo para ela os conhecimentos fundamentais para que façam mais e melhores vendas. Se eles conhecem mais, se sentirão mais seguros e poderão ser os profissionais que o cliente esperava que sejam ao entrar na sua loja.

Fechar uma venda pode ser uma questão de atitude!

Por que será que o fechamento da venda provoca tanta emoção nos corações dos vendedores? Por que será que tantos deixam passar o momento certo de tentar fechar suas vendas?

Um atendimento bem conduzido, geralmente, resulta em uma venda. Ou seja, muitas vezes o cliente irá dizer que vai comprar sem que o vendedor tenha que literalmente perguntar isso. Mas muitas vezes isso não acontece. E então?

Provavelmente, os vendedores não conseguem perceber os sinais de compra que o seu cliente emite. Isso requer preparo e técnica. É necessário executar determinados passos do atendimento para receber do cliente sinais que demonstrem que ele está pronto para a decisão de compra.

Além disso, é necessário uma dose de autoestima, autoconfiança e atitude. É impossível tentar ajudar alguém que não deseja para si o sucesso. Talvez esteja aí a resposta da razão dos vendedores novos terem mais sucesso que antigos. Embora eles conheçam menos sobre a loja, seus produtos e clientes, eles "querem muito" ser bem-sucedidos. Acho até que uma boa dose de motivação pode resolver, mas é a vontade interior do vendedor que irá movê-lo adiante.

Mostre o caminho, o passo a passo, de um atendimento eficaz para sua equipe. Treine com ela como percorrer esse caminho. Mostre que a vontade de fechar vendas muitas vezes é mais importante que a técnica a ser utilizada.

Boa sorte e boas vendas.


Fernando Lucena é consultor e presidente do Grupo Friedman, empresa de consultoria e treinamento em varejo.

Leia Mais ››

10 expressões que você NÃO deve usar no seu perfil do LinkedIn


"Responsável", "motivado", "apaixonado"... Você é. Que tal pensar no que te faz diferente de outros profissionais?

BRUNO FERRARI 16/07/2015 - 15h18 - Atualizado 16/07/2015 17h21



Abre linkedin (Foto: Thinkstock)


O perfil do LinkedIn tornou-se um dos principais atalhos para quem busca por um emprego em empresas de diferentes portes. As ferramentas oferecidas pela rede social aos departamentos de RH permitem que recrutadores te encontrem mesmo que você não esteja procurando um emprego. Isso é ótimo, desde que o seu pefil esteja "nos conformes", como diria a minha avó. 
Antes de entrar no assunto do título, vou assumir que você já se preocupou com as seguintes regras básicas: 
Tenha um perfil com foto
Perfil sem foto = desleixo.
Use uma foto sóbria
Sabe aquela foto que você bate o olho e pensa na música "Sou praieiro, tô solteiro, quero mais o quê?". Aquela com roupa de banho na praia, "posudo" do Rayban ou segurando uma garrafa de vodka na balada. Pois é, guarde-a para o Facebook.

O perfil é individual
Ainda no quesito foto, lembre-se: é o seu perfil e não o da sua família. Usar como imagem de pefil uma foto dos filhos, uma selfie romântica ou do cachorro não é uma estratégia das melhores para conseguir uma vaga. Mesmo se for para veterinário.
Sem erros gramaticais
Meio óbiviu, né? Çe esta inceguro sob um palavara ou frasse, use o dicionário ou encontre a grafia certa no Google (só cuidado que tem muito resultado errado). Se for publicar o perfil numa língua estrangeira, vale pagar para uma pessoa nativa do país revisar o texto. Por mais fluente que você possa ser, vez ou outra passa uma preposição errada.
Cuidado com o currículo "Nelson Rubens"
"Eu aumento, mas não invento". O bordão do apresentador só funciona no mundo das fofocas. Se o entrevistador perceber que você deu aquela "calibrada" numa habilidade (por exemplo, dizer que sabe falar seis linguas com fluência), é provável que você seja eliminado do processo.

Sem muita "egotrip" 
Dica do Linkedin: seja menos descritivo e mais voltado a resultados. Mostre a diferença que você fez em cada empresa que trabalhou. Use uma linguagem natural e mostre quem você é.
As 10 expressões que você deve evitar
Dito isso, o LinkedIn publica anualmente uma lista de expressões "da moda" que estão mais em alta nos perfis - e em baixa nos processos de recrutamento. São palavras que nada acrescentam, os clichês, que não ajudam a te diferenciar de outros candidatos. Pelo contrário, te jogam na vala comum da turma que ainda diz "a nivel de" (ai!), "no final do dia" (ui!) e "agregar valor" (cruzes!):
Olha só que bacana o que diz Fernanda Brunsizian, gerente sênior de comunicação do LinkedIn no Brasil. "O perfil do LinkedIn, em oposição ao CV profissional, permite que você crie mais e use recursos audiovisuais para mostrar os seus resultados. É uma forma de comunicação mais próxima, mais "quente". Usar palavras tradicionais e expressões muito batidas faz com que o usuário perca a potencialidade da plataforma."
Bom, sem mais delongas, vamos às palvras com alguns comentários...
1.    Responsável
Já viu alguém dizer no currículo que é irresponsável?
2.    Estratégico
Me lembrou o Capitão Nascimento: "O conceito de estratégia, em grego strateegia, em latim strategi, em francês stratégie... Os senhores estão anotando?" Zzzzzzzz.
3.    Criativo
Ok, Mr. Steve Jobs!

4.    Sólida experiência
A minha é líquida e gasosa.
5.    Extensa experiência
Do tamanho do Rio Amazonas.

6.    Experiência internacional
Serve para quem trabalhou como o Pluto na Disney World ou liderou um time de 30 estrangeiros numa startup bilionária com sede Telaviv.
7.    Especializado
É meio o que você vira quando faz um curso técnico ou uma faculdade, não?
8.    Planejamento estratégico
Imagina o especialista no planejamento não-estratégico. Aquele que marca reunião para falar sobre o que será discutido na próxima reunião, que definirá os parâmetros de como serão feitas reuniões a partir da reunião derradeira.

9.    Apaixonado
Ounnnn!
10.  Motivado
Estou tão desmotivado com essas expressões que nem vou comentar essa.

Tem dicas, sugestões de temas ou dúvidas tecnológicas? Mande e-mail para bferrari@edglobo.com.br 
http://epoca.globo.com/vida/experiencias-digitais/noticia/2015/07/10-expressoes-que-voce-nao-deve-usar-em-seu-perfil-no-linkedin.html
Leia Mais ››