quarta-feira, 19 de agosto de 2015

O medo de perder o emprego





Tive um pesadelo. Sonhei que estava com um medo absurdo de perder o emprego. Paura mesmo. No sonho, ia para o escritório e discutia com os colegas estratégias para reverter o resultado ruim. Planejava cortes profundos de custo. Propunha novos negócios. Falava com Deus e o mundo para melhorar as coisas. Tentava impressionar meus pares, meu chefe e o acionista. Era um sufoco. A cada toque do telefone, um arrepio na espinha. Será que vou dançar? Chegou a hora?

Ler os sinais virou outra doença. Qualquer coisa banal virava um motivo. Cruzava com alguém no corredor, o ser humano não dava bom dia, eu pensava: “Será que ele sabe de alguma coisa?” Alguém não aceitava o meu convite para tomar um café. Já vinha o mau pensamento embolado no sonho: “Ele está fugindo de mim?”

Em meu pesadelo, repetia uma série de comportamentos que vejo e ouço por aí. Quando acordei, o alívio. Eu não seria demitida. Como assim?

Sim, eu não seria porque já fui demitida. Não tenho emprego, nem crachá há quase um ano. Decidi me autocontratar para escrever. Escolhi me dedicar à gestão da minha pousada. Estou abrindo, como plano B e C, novas frentes de trabalho. Sem pátria, nem patrão.

A descoberta – você não pode ser demitida porque já foi — acabou com a minha sonolência. O alívio transformou-se em reflexão freudiana. Por que o meu inconsciente repetiu, um ano depois, o filme do medo de perder o emprego? Jung, talvez, diria que o inconsciente coletivo tem participação nisso. Recebo mensagens diuturnas sobre esse temor.

Converso com amigos e ouço histórias às vezes cômicas sobre o pânico que se instalou nas empresas. Uma amiga quase enfartou há 20 dias quando a chefe chamou-a para um almoço. O almoço não deu certo. A conversa foi adiada, adiada, adiada. Ela surtou. Passou o dia em pane, certa de que estava no olho da rua. No fim, não estava. Havia sido promovida. Mas a aflição era tanta que nem comemorou o novo cargo. Apenas festejou a manutenção contracheque.

O medo de perder o emprego é ancestral. Emprego é uma das formas primárias de vender algo – a força de trabalho – em troca de dinheiro. Em tempos de crise, o medo se torna epidêmico, patológico e coletivo. Faz sentido. Temer ficar sem sustento é racional e normal, especialmente quando não se tem reservas, casa própria, currículo e, principalmente, plano B. O desemprego amedronta. A falta de dinheiro gera perdas, brigas e conflitos. No limite, a expressão olho da rua pode ser literal. Perder o emprego, a casa, a família e o juízo como aconteceu com o casal da rua 14, personagens de uma história que contei.

Mas isso, perder tudo e virar sem teto, pode mesmo acontecer com você? Será que, às vezes, o nosso medo não fica maior do que o perigo? Será que exageramos por que o que está em jogo não é somente o dinheiro no final do mês? Decodificando o meu pesadelo, percebo que o pânico de perder o emprego, muitas vezes, extrapola a racionalidade, a necessidade e a sobrevivência. Ele pode estar relacionado a sentimentos mais profundos e escuros de perda, de dispensa, de rejeição. Isso acontece quando o emprego se transforma em razão e mote para a vida. E, agora, definitivamente não estou falando do contracheque.

Em meu pesadelo, eu revivia o pânico de ser rejeitada, de não ser eficiente e necessária. De ser descartável. Também sentia medo de perder algo querido. Tipo um amor, um companheiro, um amigo. Tipo um pedaço da minha vida. Quase doze meses depois de ser demitida de verdade, de ter mudado de vida e ter iniciado um novo tipo e formato de trabalho, o pesadelo significou um olhar pelo retrovisor para aquela pessoa que fui.

Eu era dedicada, era obcecada, era abduzida pelo meu emprego. Trabalhava para a empresa como se ela fosse minha. Por que fazia isso? Porque, no meu inconsciente, achava que ela fosse minha mesmo. Por falta de educação empreendedora, por falta de história de empreendedorismo na minha família, formada por funcionários e profissionais liberais, não sabia que podia viver por minha própria conta.

Precisava de um contracheque e de um crachá. Precisava de apoio, de certeza e de segurança. Precisava de pai, de mãe e de babá. Acho que cresci nos últimos 358 dias. Já estou indo para a escola sozinha. É um bom começo. Quer saber se eu ainda tenho medo? Claro que sim. Os maiores são de ladrão, de escuro, de hiperinflação, de montanha russa e, o mais recente, é de ficar sozinha na livraria na noite do lançamento do meu livro. 


Leia Mais ››

Revista EmbalagemMarca


EmbalagemMarca



Sobre nós


A revista EmbalagemMarca é publicada pela Bloco de Comunicação, editora fundada em 1986 pelo jornalista Wilson Palhares. Lançada em junho de 1999, a publicação consolidou-se, rapidamente, como importante fonte de referência do setor de embalagens. Pautada pela ética, pela imparcialidade e pela alta qualidade gráfica e editorial, a revista logo conquistou a confiança de leitores e anunciantes. Não é por acaso que revista EmbalagemMarca é a que mais cresce no segmento.

Qualidade e prontidão de resposta

A Bloco de Comunicação, fundada em 1986, é uma empresa voltada para ações de Marketing Editorial e produtos de comunicação impressa em geral.

A experiência de seus quadros e o compromisso com a qualidade permitem oferecer um diferencial de atendimento que se traduz em prontidão de resposta às necessidades dos clientes e plena satisfação na área de Marketing Editorial.

Da produção de textos, fotografias e ilustrações, passando pela direção de arte e editoração eletrônica, até o acompanhamento gráfico a Bloco de Comunicação encarrega-se de todo o processo respondendo pela qualidade final dos produtos.

Experiência e competência

O fundador e diretor presidente da empresa, Wilson Palhares, é jornalista profissional com mais de quarenta anos de experiência, tendo atuado, entre outros veículos de comunicação, como editor em Exame, Veja e Playboy, e como repórter especial no Jornal do Brasil e na Folha de S. Paulo. Há vinte anos atua como jornalista especializado na área de marketing, período em que se aprofundou no estudo do mercado mundial de embalagens. Sob a supervisão de Wilson Palhares, uma equipe qualificada produz, mensalmente, a revista mais completa do setor de embalagens no Brasil.


Endereço
Rua Carneiro da Cunha, 1192 – 6º andar
Saúde
São Paulo, SP
CEP: 04144-001
Tel.: (11) 5181-6533

http://www.embalagemmarca.com.br/sobre/

https://www.linkedin.com/company/embalagemmarca 

Wallace Oliveira Cruz


Leia Mais ››

Klin cria tênis com chip para rastrear crianças


Produto permite aos pais monitorarem os passos do filho à distância, por meio de um celular, com objetivo de gerar segurança. Ferramenta funciona em ambientes abertos e fechados

A Klin desenvolveu uma linha de calçados infantis que permite a inclusão de chips de rastreamento. O produto permite aos pais monitorarem os passos do filho à distância, por meio de um celular. A ferramenta funciona quase como um caça ao tesouro, em que o mascote da marca indica onde a criança se encontra. Assim que o adulto compra o tênis, recebe um informativo para instalar o aplicativo no smartphone que avisará caso o menor se afaste.

Em um campo aberto, o alcance máximo é de 60 metros, enquanto em um lugar fechado, como o shopping ou o supermercado, o alcance é de 20 metros. O Chip Klin funciona por meio de bluetooth e emite um som conforme a criança se afasta ou se aproxima. A inovação foi feita para levar mais segurança, tranquilidade e liberdade para a família.
Assista abaixo o vídeo sobre o funcionamento da tecnologia.
http://www.mundodomarketing.com.br/ultimas-noticias/34269/klin-cria-tenis-com-chip-de-rastreamento.html
Leia Mais ››

OX apresenta novas embalagens


A10_OX_VITAMINS


Já estão disponíveis no mercado as novas embalagens da OX. As linhas de xampu e condicionador OX Proteins Reconstrução Profunda, OX Fibers Liso Absoluto, OX Oils Nutrição Intensa, OX Vitamins, OX Cachos Controlados e OX Plants foram reformuladas.

A10_OX_01

As embalagens foram desenvolvidas pela A10 com base em três elementos principais: sofisticação, atitude e relevância.
Uma das principais alterações da arte, o degradê, deixou a embalagem mais clean. Tendência na Europa e nos Estados Unidos, o degradê reforça os elementos sofisticação e atitude.

Todos os elementos foram readequados de modo a tornar a comunicação direta com os consumidores mais efetiva. Os benefícios e os nutrientes dos produtos ganharam mais destaque. No OX Colágeno, por exemplo, a palavra “Colágeno” pode ser rapidamente percebida, propiciando uma rápida identificação do produto por parte das consumidoras.

Outra mudança também pode ser percebida no novo formato da embalagem, que ficou mais arredondada.

A10_OX_02


http://www.embalagemmarca.com.br/2015/08/ox-apresenta-novas-embalagens/


Leia Mais ››